Carta a uma jovem mulher

Erundina, Exemplo de generosidade e dignidade na política.

(Faltando sete dias para São Paulo reencontrar-se com a ESPERANÇA)

Minha irmã de sonhos,

Paulo Freire nos ensinou:

“É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir!”

E me recordo, como aprendi essa lição. Melhor, como a trago em meu coração desde o movimento estudantil secundário, universitário, movimento de educação de base, militância política e prática profissional. E até hoje, seja como trabalhadora do SUS ou na docência universitária. Como professora, ao lado dos estudantes, relembro, releio, dia após dia, a pedagogia da exemplaridade que você me inspira.

Inspira quando não abre mão de ensinar que a política se faz pela via da coerência, solidariedade, generosidade, do afeto e amor, entrelaçados ao socialismo que apregoa. Coerente, pois a sua palavra é reveladora dos seus atos cotidianos.

Solidária quando coloca as corresponsabilidades à construção de uma outra esquerda, de RAIZ, acima dos desejos, necessidades, interesses do mundo privado, caindo em cantilenas vazias, e/ou reprodutoras da miséria humana.

Generosa, quando se propõe a um encontro, verdadeiro, inter geracional, entre você e o jovem Guilherme Boulos. Quando não se nega a seguir na linha de frente, nos incentivando a desobedecer e a romper a ordem e a vontade da elite brasileira. Dos petulantes que tentam nos dizer que determinados lugares, espaços, poderes, competências, idade, ou condições políticas podemos ocupar.

Amorosa, quando oportuniza reflexões sobre o sentido e o sentir da amorosidade como modo de acolhimento do outro, uma possibilidade de reconhecimento do “eu” no outro. Assim, se estamos na Paraíba, em São Paulo, Brasília, ou em qualquer outro lugar, ficaremos lado a lado.

A jovem senhora em seus 86, não cansa de repetir: “sabemos de onde viemos, de onde partimos, não devemos nos perder pelos caminhos para onde temos compromissos ético-político, de chegar”. Socialista, nos alerta para a compaixão em tempos de gravíssimas crises.

Assim, repetimos em alto e bom som: enquanto houver uma só família sem moradia, sem saúde e educação, sem trabalho e segurança, o socialismo se faz necessário. E é com esse desejo de mudanças radicais, que oferece, em seus 86 anos, a força para administrar a maior cidade da América Latina, em nome da ESPERANÇA.

Querida Mestre, que esse 29 de novembro seja para celebrar o presente para o futuro de São Paulo, no amanhecer do dia 30, dia do seu aniversário.

Meu presente nessa data, que por vezes celebramos juntas, será a reafirmação de ajudá-la a seguir na construção de um país sem pobreza, sem o racismo estrutural, sem as intolerâncias de qualquer serventia.

Que São Paulo tenha a oportunidade de Esperançar!

Vote Boulos & Erundina. Vote 50

Com esperança e fé, que não costumam falhar.


Email